terça-feira, 20 de junho de 2006

Pensei que estava morto, mas estava só dormindo.

Depois de passar um feriado prolongado sozinha no meio do caos, já estava até me sentindo deprimida, sozinha e esquecida da minha paixão platônica, quando hoje, no meio de um papo com a mamãe, eis que surge na tela do PC uma simples palavra: VOLTEI.
Difícil foi controlar a espinha gelada e manter aparencia de que nada acontecera. Mas no fundo mesmo eu ja tava ansiosa pra conversar com ele de novo. Bom, como tinha platéia, tive que, num esforço hercúleo, dispensá-lo.
Mas à noite, fiquei ansiosa para q todos me deixassem em paz pra eu poder conversar com ele.
Só aqui mesmo eu posso confessar que já estava morrendo de saudades, não via a hora de poder falar com ele novamente.
No começo conversamos sobre trivialidades, mas depois ele pediu pra falarmos de sexo.
Eu disse que tinha feito sexo, mas com o pensamento nele, e que tinha sido muito gostoso. E descrevi em detalhes, cada ação e cada sensação provocada.
Ele está louco para fazer sexo anal, nunca fez e imagina uma série de situações em que ele poderia me comer.
Confesso que algumas vezes posso sentir seu corpo tentando me penetrar, tamanha é a minha excitação.
Prometi a ele que iria me guardar para nossa primeira vez, e que iria amaciar meu cuzinho com óleo perfumado, para dar a ele todo conforto que ele merece.
Fizemos um sexo virtual, só com 69. Ele não aguentou e foi se masturbar. Eu ainda estou aqui contando essa historia, mas ja ja vou aliviar o meu tesão também.
Enfim, quando achei que aquele desejo enlouquecido estava morto e não fazia mais parte de mim, eis que aparece tudo de novo, violento, arrebatador, enlouquecido, me deixando novamente de 4 por esse moreno de tirar o sono.

quarta-feira, 14 de junho de 2006

MSP - Movimento dos sem-paixão

Puta que pariu!
Que saudadeeeeeeeeeee!!!!!!!!
Tou tão sozinha hoje. Nem pensando em putaria nem nada, só queria um aconchego, um colinho, um cafuné...
Na verdade, o que eu sinto falta é de estar apaixonada, de sentir aquele bichinho roendo por dentro, aquela vontade de ficar junto.
E o pior de tudo é não vislumbrar sequer a mínima possibilidade disso acontecer. Digo poder curtir uma paixão daquelas gostosas em que tudo é divertido, engraçado, apaixonante.
Por isso eu acabo de fundar o MSP - Movimento do sem-paixão. Aceito como membros todos aqueles que vivem uma vida morna, sem graça e que sente uma falta danada de uma paixão, de beijar em público, de mandar bilhetinhos de amor, de "esquecer" a calcinha embaixo do travesseiro...
A proposta é nos embriagarmos todos os dias e afogarmos nossas mágoas e dores de cotovelo em rodas de poquer, buraco e mau-mau (rs)...
Como tudo na vida é possível, é permitido aos membros a aproximação, porém, em caso de algum casal estar apaixonado, deverão deixar de frequentar as reuniões.
Sendo assim, fica aqui fundado e sacramentado o MSP.
Agora eu vou é dormir porque na falta de um fisio* quentinho, vai de cobertor e travesseiro mesmo....

quinta-feira, 8 de junho de 2006

Ele toma banho, ela fica molhada...

Confesso que tensão e ansiedade têm sido a essência dos meus dias ultimamente. Deve ser TPM.
Trabalho demais, sexo e carinho de menos, meu único prazer é bater papo com meu fisio* e dar vazão às fantasias nele inspiradas.
Hoje ele estava sem teclado, usando só o teclado virtual do SO, tadinho. Nem preciso dizer que eu e meu teclado dominamos a situação (hahaha).
Ele disse que havia acabado de tomar um banho. Logo imaginei o cabelo úmido, o cheirinho de sabonete, aquelas gotinhas no meio das costas que as toalhas nunca alcançam...aquela pele...hmmm, não prestou.
Eu quase me teletransportei para aquele quarto e iniciei ali um excitante sexo oral, com direito a lambidas e sugadas, e a uma gozada no rosto.
Inexplicavelmente isso é uma coisa que tenho muita vontade de fazer. Acho que não vou sossegar enquanto não conseguir.
Depois transcrevi para ele alguns trechos deste blog. Qual foi a opinião dele? Só no próximo capítulo, pois ele ficou offline...

terça-feira, 6 de junho de 2006

Que vontade...

Hoje é um dia que posso bater no peito e dizer: Trabalhei pacaralho!!!
Fiz tantas coisas que não tive tempo nem de sentir tesão. Ainda bem que no final do dia fui premiada com um papinho com o meu fisio*. Hoje finalmente combinamos de nos encontrar. Apesar da vontade enorme de transar com ele na minha casa, naquele clima de proibido, deixando o cheiro de sexo semeando cada cômodo, demos ouvidos à razão e resolvemos nos encontrar um pouco mais longe daqui.
Depois disso, né, fiquei planejando minunciosa e inutilmente como seria esse encontro...como se essas coisas funcionassem como se planeja...

Logo na chegada, lhe daria um longo e gostoso beijo na boca, e iríamos juntos até a cama, onde continuaria beijando seu pescoço, peito, até chegar no seu monumento de prazer, e lambê-lo, beijá-lo, sugá-lo, até que ele gozasse lindamente, sujando meu rosto.
Em seguida, após me limpar, eu o ajudaria a terminar de se despir, e ele me ajudaria a fazer o mesmo, e então, nos abraçaríamos tocando cada centímetro de pele que fosse possível, para sentir o calor que exala de nossos corpos. Novamente eu o beijaria, e daí daria a ele meu sexo para que ele sentisse o cheiro e a umidade que brota sob tamanha excitação, e o faria lamber e beber todo meu mel.
A essa altura, provavelmente ele já estaria novamente excitado (espero), então eu sentaria em seu colo iniciando uma penetração profunda, junto com um abraço e um olho-no-olho, e então começaria um lento e macio vaivém, aperta, suga mamilos, até que um de nós dois não aguentasse mais. Pausa para aliviar a tensão. Afinal, não quero que acabe assim tão rápido. Um pouco de hidro vai fazer bem, e aí aproveito seus dotes de massagista, me fazendo relaxar, relaxar, até entreabrir as pernas e deixar que ele me penetre sob as águas borbulhantes e me estoque com sua força de macho até me fazer gozar.
Após esse delicioso banho, voltaríamos para a cama, para que eu recebesse uma massagem com óleo perfumado. Sentir suas mãos esfregando meu corpo, passando nas costas, pernas, bumbum...ele, assanhado, passando os dedos besuntados de óleo entre as minhas nádegas, procurando pelo único lugar que lhe falta desbravar.
Meu ânus já estará contraindo de tanta vontade de receber aquele homem. Excitado, ele se abre para a passagem dos dedos oleosos. Ele novamente me faz um maravilhoso sexo oral, enquanto com os dedinhos, amacia o anel de entrada, mas quando eu gozo em sua boca, ele não resiste aos movimentos e posiciona o pênis na entrada, ainda sob o efeito do orgasmo, e força a passagem. Dói. Sempre dói. Mas o tesão ainda é maior, e eu empino o quadril para facilitar a penetração, até que tenho todo o membro encravado em mim, com um semideus a me segurar pelos cabelos enlouquecido de tanto prazer. A partir do momento em que eu já me acostumei com seu corpo, começo a rebolar, indicando que ele pode começar a diversão, e a partir daí também começo a masturbar meu clitóris, para fechar essa transa com um orgasmo inesquecível para os dois.

domingo, 4 de junho de 2006

Garota enxaqueca

Hoje meu dia foi uma enorme escuridão, iluminada apenas por alguns flashes de vida cotidiana que entrecortavam meu sono maldormido.
Uma enxaqueca desgraçada me deixou offlife (sim, não é offline não, é offlife mesmo - sem noção da vida que me cercava), e quando eu, finalmente voltei ao normal, sob o incontestável poder dos analgésicos, percebi que muito havia mudado...
Meu pai, que estava presente nos meus sonhos, estava morto; eu tinha um filho a menos; não tinha um poodle preto e meu marido não estava dormindo...
Pensei nos efeitos mirabolantes que uma enxaqueca promove na mente.
Agora, bebendo uma Smirnoff Ice, fuço no MSN e lá está, um deserto de gente dormindo (ou se divertindo, sei lá) e eu aqui, a sós com essa tela fria, sentindo saudades do que eu nunca vivi...

quinta-feira, 1 de junho de 2006

Nossa, que coisa boa...

Hoje falei com meu fisio* no msn. Esse homem me tira a razão e o sossego.
Disse-lhe para vir à minha casa, mas ele enrolou e disse que não podia. E justo hoje, que eu to com tesão à flor-da-pele, qualquer coisa, uma brisa, um cheiro, um pensamento, um simples "amore", é capaz de me colocar a caminho do êxtase.
Nem fizemos virtual. Hoje os pensamentos estão tão confusos, não consigo me concentrar em nada, tamanho é o meu desejo hoje de fazer-lhe um sexo oral como se fosse uma bezerra faminta, sugando até me regozijar com o saboroso leite.

Mas como minha musa sexual foi dormir, pois estava cansadinho, fui pra cama e fiquei brincando com meus 10 amiguinhos. Aproveitei o clima e experimentei uma masturbação que eu nunca tinha experimentado antes: Mão direita manipulando clitóris. Mão esquerda, dedo medio e indicador na vagina e dedo anelar no ânus, que entrou facinho, graças à farta lubrificação que meu fisio* me proporciona só em teclar... Com movimentos sincronizados entrecortados por espasmos de prazer, cheguei a um orgasmo que nunca tinha experimentado antes, que eu batizei de "poliorgasmo" (hehehe). Não, não foram orgasmos múltiplos, daqueles que vêm de um em um não! Foi uma mistura dos 3 orgasmos diferentes que uma mulher pode ter, tudo de uma vez...todinho pra ele...

Não fossem alguns contratempos, a gente ia se encontrar amanhã, mas agora, vamos ter que planejar tudo de novo, e, quem sabe, não consigo repetir com ele um "poliorgasmo"...