quinta-feira, 19 de julho de 2007

Um dia da caça, outro do caçador.

No fim do ensaio eu disse a ele: Vamos faltar o próximo?
Ele perguntou porque. Eu, tranquilamente disse: Quero levar você pra passear.
Combinamos de nos encontrar na oportunidade seguinte, em frente ao local dos ensaios.
Ele, inquieto, me ligava para saber se eu iria mesmo encontrá-lo. Eu já estava muito atrasada, por causa do trabalho, mas pedia o tempo todo a ele que me esperasse.
Quando eu cheguei, lá estava, um menino, com um jeito rebelde. Não resisti e o beijei. Em seguida, chamamos um táxi e fomos embora dali.
Fomos a um hotel próximo, o táxi nos deixou na recepção, mas seu jeito de menino logo levantou suspeitas da jovem que nos atendia. Ela pediu identidade. Ele não havia levado.
Fomos embora dali meio decepcionados. Eu perguntei a ele novamente a sua idade. Ele repetiu que já tinha completado 18 (olha, deve ter sido ha 3 dias atrás...). Nisso me encostou contra uma árvore, me beijou ardentemente e disse: -E agora? O que eu faço com esse tesão que eu to em você?
Eu sorri e lhe disse calmamente: - Vamos, tem outro hotel ali na frente.
No caminho fui explicando a ele que,ao chegar à recepção, ele deveria ter a iniciativa de pedir o quarto, pois seu rostinho juvenil denunciava a sua tenra idade, assim como suas atitudes denunciavam nervosismo.
Ele chegou, colocou-se à minha frente, fazendo cara de mau (confesso que quis rir daquela situação) e, num rompante de coragem pediu um quarto.
Dessa vez demos mais sorte, entretanto tivemos que pagar antecipado. Pra mim não importava, eu só queria mesmo subir e amar aquele garoto recém-saido da adolescência, cheio de energia e paixão.
De posse da chave, pegamos o elevador. Estávamos os dois muito nervosos, mas ele estava visivelmente tenso.
Entramos no quarto, rapidamente fomos nos pegando, agarrando, beijando, como se não nos víssemos há meses...
Ele, definitivamente não tinha nenhuma experiência com uma Mulher. Digo Mulher, com EME maiúsculo, não meninas, com m minusculo como tem às dúzias atrás dele. Mas acho que essa dose de nervosismo foi muito, muito boa pra nós dois.
E nos devoramos com a fome dos perdidos. Foras as poucas horas mais maravilhosas que eu vivi nos últimos meses...Seu prazer crescendo em mim até explodir foi uma experiência única. Me doar para ele foi a mais linda entrega.
Depois de todos os orgasmos,veio o mais sublime dos prazeres: ver seu sorriso, olhar em seus olhos, acariciar seu rosto, seus cabelos e receber as recíprocas demosntrações de carinho.

quinta-feira, 14 de junho de 2007

Panamericano rima com...hummmmmm...

Tenho pensado muito na minha vida ultimamente. Em como ela mudou, em como eu sinto mais poder emanando de mim.
Tive a prova disso no último ensaio. Eu já tinha reparado aquele capoeirista ainda menino me observando de longe, falando baixinho perto do ouvido, mas honestamente, não tinha nenhuma intenção de tentar nada. Ao contrário, resolvi me fazer de desentendida.
No entanto, a minha indiferença só piorou as coisas...
Durante o ensaio, ele se aproximou, falou baixinho pra mim: -Por que você não fala comigo?
Eu respondi, como quem pouco se importa: -Por que você não fala comigo!
Ele saiu de perto, foi encontrar o seu grupo.
Ensaiamos e não nos vimos mais, até a saída.
Na saída, um volume enorme de gente, eu estava do lado de fora me despedindo do meu grupo, que mora em outra cidade. Então ele veio no meio da multidão. Eu disse: -Tchau!
Ele me olhou, sorriu, veio na minha direção, me abraçou e me roubou um beijo.
Meu primeiro instinto foi o de me afastar. Eu o soltei e disse: -O que é isso, rapaz?
Ele respondeu: -Ainda não notou? - Me pegou pela cintura como quem pega uma boneca de pano, segurou meu pescoço e me deu um novo beijo, dessa vez mais longo, molhado, excitante.
Ele às vezes me deixava respirar e dizia: -Eu já estava louco pra fazer isso. Não aguentava mais... - Quero te beijar muitas vezes, estou adorando seu beijo...
E me apertava contra seu corpo. Eu podia sentir seu sexo enrijecendo em contato com o meu corpo. Ele roçava em mim, me acariciava as costas, o cabelo...como se não houvesse mais ninguém à nossa volta. Àquela hora eu já havia me entregue em seus braços, aproveitando todas as sensações que a sua boca juvenil me proporcionavam. Suas mãos firmes e braços fortes me prendiam ao seu corpo, parecia querer se misturar a mim.
Confesso que fiquei confusa quando o beijo acabou. Não sabia o que dizer, fiquei sem jeito. Eu tenho quase o dobro da sua idade (um pouco menos, mas quando ele nasceu, eu já tinha vida sexual!).
Ele então me perguntou: - Vou ganhar mais beijos?
Minha resposta foi misteriosa: - Talvez.
Agora é esperar o próximo ensaio e ver no que dá...

segunda-feira, 30 de abril de 2007

Fantasia

Depois de tanto tempo se nos ver a saudade era imensa.
Levava comigo um verdadeiro "kit": Rosas vermelhas, velas, mel, uvas, pequenas plumas, uma faixa de seda.
Eu esperava impaciente no aeroporto a chegada do seu vôo, até que ele finalmente apareceu.
Foi um beijo-de-último-capítulo-de-novela. O mundo girava devagar, parecia que não havia mais ninguém por perto.
Peguei sua mão e o levei até a saída. "Vem, tenho uma surpresa pra você."
Pegamos um táxi. Entreguei o endereço ao motorista e voltei a olhar em seus olhos com a alegria de uma criança quando ganha a primeira bicicleta.
Entramos num motel próximo dali. Pedi a ele que fosse preparar um banho bem gostoso e me esperasse na banheira que eu iria em seguida. Ele foi e eu fechei a porta entre o quarto e o banheiro.
Liguei para a copa e pedi água (queria estar em plena lucidez para aproveitar aquele momento) e um balde de gelo.
Espalhei as velas pelo quarto, na cabeceira da cama, dos lados e acendi todas. Despetalei as rosas e espalhei por todo o colchão,e também fiz um caminho de pétalas do banheiro até a cama.
arrumei as uvas e o mel na mesinha de cabeceira, coloquei a venda displicentemente jogada sobre o travesseiro e as plumas (eram 2: uma rosa bebê e outra vermelha) escondi embaixo do travesseiro.
Recebi o gelo e a água, coloquei na outra mesinha, pus algum gelo perto das uvas, pra ficarem geladinhas.
Só então eu tirei a roupa e fui encontrá-lo na banheira. Aquilo era uma visão divina: Aquele anjo, relaxado, coberto somente pela espuma branca. Fiquei ali durante um minuto apreciando aquela cena. Arquivei na memória aquela imagem linda. Fui em sua direção levando as tolhas, beijei seu rosto, entrei na banheira e me aninhei em seu corpo, sendo prontamente acariciada com ternura.
Não resisti e me virei para ele, dando um sensual beijo na boca, levantando e o segurando pelas mãos, para enxugá-lo e levá-lo para o templo que eu havia construído para nós dois.
Me enrolei na toalha, o enxuguei, e com as mãos, fechei seus olhos e o levei até a porta.
Quando ele abriu os olhos, não acreditou. Ele ficou surpreso com todo aparato, todo o carinho e mimo que eu havia preparado para ele (mal sabia o que o esperava...).
Eu o conduzi até a cama, retirei a toalha da sua cintura, o deitei delicadamente de barriga para cima, acariciei seu rosto, seu cabelo, então coloquei um pouco do óleo nas mãos e esquentei entre uma palma e outra. Eu disse a ele: "Agora vou fazer você relaxar. Quero que esqueça tudo e pense somente no que está sentindo nesse momento."
Dito isso, peguei um de seus pés e comecei a massageá-lo, depois o outro. Em seguida, subi para as pernas, joelhos, coxas... Ele sorria.
Então pedi que virasse de costas, coloquei mais uma generosa porção de óleo nas mãos e comecei a massagear suavemente suas costas, pescoço, bumbum, coxas...
Daí eu espalhei uma porção de óleo em meu corpo, seios, barriga, coxas e deitei sobre o corpo dele, fazendo o meu deslizar, dizendo no seu ouvido: "Agora que você relaxou,vou estimular os seus sentidos." Nisso, peguei a venda e cobri seus olhos. Ele ficou meio assustado no início, mas eu disse que jamais iria machucá-lo, eu estava ali somente para o seu prazer. Com ele de costas,deixei que somente os biquinhos dos meus seios tocassem sua pele, em movimentos de subir e descer,depois da esquerda para a direita. Ele ficou arrepiado, eu voltei ao seu ouvido e disse: "Vou estimular o seu tato. Sinta isso." Joguei o cabelo para frente e deslizei as pontas dos fios sobre seu corpo,até a parte de trás dos joelhos. Ele soltou um gemidinho, não sei se de prazer ou cócegas. Em seguida, peguei as plumas e comecei a acariciar seu bumbum, a parte interna das coxas, ao mesmo tempo, ele se contorcia todo, mas não impedia meus movimentos. Ele perguntou o que era aquilo, então eu deixei que ele tocasse com a mão uma das plumas. Ele sorriu.
Eu o ajudei a virar-se de frente novamente. Ele tinha pétalas grudadas no peito, no pênis, em toda parte. Aproveitei e comecei a esfregar as pétalas sobre o corpo dele, liberando o perfume suave das rosas. Ele já estava numa mega-ereção, pedia pra eu tocar o penis, mas eu disse que deixaria pra depois, que ele tivesse paciência e aproveitasse tudo o que eu havia preparado para ele. Então, beijei sua boca, primeiro fechada. Quando sentiu meus lábios sobre os dele, entreabriu a boca e eu pude sentir sua língua divina, molhada, macia e quente. Beijei seu pescoço, seu peito e parei. Peguei uma pedrinha de gelo e toquei com ela seu umbigo. Ele se assustou. Eu ri. passava delicadamente o gelo em pontos específicos do seu corpo, ele se encolhia e relaxava e dizia, sorrindo, que eu era louca.
Eu já estava tão excitada que minha lubrificação pingava sobre o corpo dele cada vez que eu passava por cima dele com o corpo.
Então, me aproximei do seu ouvido,deixando somente os bicos dos seios tocarem nos dele, e disse: "Agora vou estimular o seu paladar."
Coloquei um pouco de mel sobre a língua e beijei-o na boca. Ele disse: "Humm,que gostoso!"
Perguntei se ele estava com sede. Dei a ele um copo de água e disse para se preparar para sentir o próximo sabor.
Ele se deitou novamente e eu coloquei em sua boca uma uva, que ele comeu com prazer. Perguntei se estava bem docinha, ele disse que não. Então peguei outra e coloquei um pouco de mel. Dei em sua boca, com a minha boca. Quando ele comeu, sentiu meus lábios tocarem os seus.
E disse: "Essa está bem melhor..."
Daí eu disse: "Então quero que me diga o que acha desta." Introduzi uma uva na vagina, encostei sobre sua boca e, movimentando os músculos vaginais, expulsei a uva lá dentro, envolvida pelo meu próprio mel. Naquele momento ele enlouqueceu. Agarrou meu quadril e começou a me lamber, sugar, até limpar totalmente toda a minha lubrificação abundante. Eu quase gozei, mas guardei meu primeiro orgasmo para quando ele não tivesse mais a venda nos olhos. E foi exatamente livrá-lo da venda que fiz imediatamente, pois não aguentava mais de tesão e seu penis já começava a soltar algumas gotas de líquido transparente, indicando que desejava mais.
Ao tirar a venda,ele se recostou na cama e eu então coloquei a boca sobre a cabeça do penis e comecei a lamber,até lubrificar bem. Fui colocando na boca devagar.Ele segurava minha cabeça tentando empurra-la, mas eu mantive o meu ritmo, até encostar a boca na base do penis, com ele todo invadindo a garganta. Ele estava tarado, mas eu continuei mamando suavemente, aumentando o ritmo devagar. Quando senti que ele ia ejacular, parei os movimentos e apertei a parte logo abaixo da cabeça, para evitar que o esperma saísse, o que não conteve o seu orgasmo, porém, seco.
Ele disse que aquilo nunca havia acontecido com ele. Eu sorri e beijei sua boca dizendo a ele que ainda viriam mais e mais.
Lambi seus mamilos,seu umbigo, voltei a beijar o penis que estava ainda mais duro e pulsante.
Coloquei a camisinha nele, me ergui e fui descendo lentamente, encaixando-o na entrada da vagina, permanecendo ali parada por alguns segundos. Com movimentos de sobe e desce, colocava só a cabecinha dentro, até que na décima vez eu desci com tudo, deixando entrar de uma só vez. A reação foi uma mistura de tesão, com susto, com gemido. Repeti a operação, só que desci profundamente nas duas últimas. E fui repetindo, diminuindo as curtas e aumentando as longas. Gozei quando cheguei na quinta,mas continuei firme até serem dez penetrações profundas, com panorâmica completa para ele. Ele também gozou, impossível controlar.
Só sentia o pulsar forte expelindo seu prazer quente e abundante.
Aquele êxtase durou alguns segundos. Deitamos lado a lado e ficamos nos olhando no espelho do teto, brilhantes e cheios de pétalas pelo corpo. E rimos de nós mesmos...
Comemos as outras uvas, bebemos água e voltamos para a banheira, afinal,estávamos muito grudentos... Na banheira, ficamos um de frente para o outro, em silêncio, somente relaxando e aproveitando aquele momento mágico.
Não demorou para meus pés procurarem seu corpo e começarem a acariciá-lo. Ele abriu os olhos e sorriu, e se deixou tocar. Quando alcancei seu pescoço,ele tomou meu pé e começou a beijá-lo, acariciando minha perna com a outra mão. Eu me aproximei e fiquei de joelhos à sua frente, com suas pernas entre as minhas, e nos beijamos por tanto tempo que nem sei quanto... Eu só queria sentir e aproveitar tudo aquilo. Foi quando senti um toque. Ele estava pronto para outra. Eu toquei e senti sua virilidade. Me percorreu uma onda de tesão pelo corpo todo. Ali na banheira ele me possuiu com paixão.
Voltamos para o quarto. Antes de chegar na cama ele me abraçou por trás, levantou meu cabelo, beijou minha nuca. Me encostou na parede e me penetrou tão rápido que parecia querer me roubar uma foda. Eu adorei a surpresa, ainda mais quando vi pelo espelho nossos corpos unidos. Foi indescritível. Não aguentei e gozei de novo. Eu movimentava a vagina sugando seu penis dentro de mim, apertando e soltando. Ele ficava louco com isso. Me colocou de 4 na cama e voltou a me penetrar. Eu continuava a apertá-lo dentro de mim, dessa vez movimentando o quadril da esquerda para direita, em semicírculo. Ele ora segurava meu quadril, ora apertava meus seios, ora pegava nos meus cabelos,até que teve outra explosão de prazer. Senti meu corpo ser invadido por seu leite, que escorria de dentro de mim e se derramava nos lençóis.
Estávamos exaustos. Eu me deixei cair na cama, ele deitou-se sobre mim, deitando em seguida ao meu lado.
Ficamos assim, fazendo carinhos por um longo tempo. Até que recuperamos o fôlego. Ele então decidiu me retribuir a deliciosa massagem e, passando óleo mas mãos, espalhou pelos meus seios, barriga, pernas, vulva...massageou meu corpo como um mestre. Eu ficava de olhos fechados, sentindo o toque firme das suas mãos. Ele me acariciou com as plumas, tocou meu clitóris com uma delas. Eu estremeci de tesão. Ele então começou a sugar meus mamilos enquanto acariciava minha cintura, meu quadril... Beijou minha boca, voltou para os mamilos. Depois colocou um pouco de mel na cabeça do penis e o levou até a minha boca. Eu lambi e chupei tudinho. Ele enfiava na minha boca fazendo movimentos de vaivém, segurando minha cabeça.
Quando ia gozar, parou. Me virou de 4, me penetrou rapidamente para aproveitar a minha lubrificação natural, então foi colocando devagar no meu cuzinho que estava ansioso por senti-lo.
Quando já nos sentíamos confortáveis, ele iniciou um gostoso vaivém, ao mesmo tempo que estimulava meus mamilos. Eu tocava meu clitóris até que em pouco tempo tive um orgasmo enorme. Ele emendou no meu e pudemos sentir os espasmos um do outro. Foi maravilhoso.
Depois disso, ficamos exaustos. Quando conseguimos finalmente reunir forças, tomamos um outro banho de chuveiro e fomos embora, deixando para trás as pétalas amassadas, as velas derretidas e as marcas da nossa paixão espalhada pelo lençol.

sábado, 28 de abril de 2007

Mais-que-professor

Depois daquele dia eu passei a ir de saia a todas as aulas.
Naquele dia eu fui com uma saia mais curta, do mesmo tecido. Por baixo, o conjutinho preto.
Já tinha passado mais de uma semana do último encontro, eu estava tão excitada que só fiz bobagem. Eleficou muito chateado comigo. Disse que eu não estava correspondendo às suas expectativas. Eu fiquei triste, mas não perdi o tesão. Não conseguia deixar de olhar aquele corpinho talhado com horas de exercícios, aquele cabelo cacheado tão macio, aquele olhar de menino...
Ele me deu um mega-castigo: me deixou na porta de casa e sequer me deu um beijinho...
Fiquei extremamente decepcionada.
Mas a minha cabeça não parava de pensar nele, meu corpo não parava de desejá-lo, de sentir forte a ausência daquele toque.
Passou dois dias e eu telefonei para ele. Ele disse que estava pensando em mim, pois estava indo levar uma aluna justamente no condomínio onde moro. Ele disse que estava louco pra vir na minha casa. Prontamente o convidei.
O maior problema é que eu estava fazendo faxina em casa. Estava tudo revirado. Larguei tudo pra lá e fui tomar um banho. O interfone tocou eu tinha acabado de sair do chuveiro. Atendi e voltei para o banheiro para massagear o corpo com óleo de rosas.
Ele entrou sem bater,mas ao ouvir o som do sininho que tem na porta, me enrolei numa toalha e saí do banheiro, cabelos molhados, sorriso na boca.
Encostei-o na parede e dei-lhe um voraz beijo na boca. Depois o convidei para entrar, levei-o para o meu quarto, o deitei em minha cama, então comecei a despi-lo.
Eu sentia como se ele fosse um presente, que eu estava a desembrulhar.
Quando ele já estava nu, subi sobre ele e desenrolei a toalha, deixando meu corpo inteiro tocar no dele. Nos beijamos mais, eu encostava minha pele perfumada na dele, até que otesão ficou demais e iniciamos a penetração.
Que homem maravilhoso...ao mesmo tempo que penetra com firmeza, acaricia o meu corpo com total delicadeza.
Gozei rapidamente, duas vezes. Ele gozou por último, um orgasmo intenso e prolongado.
Naquele momento tivemos que nos recompor rapidamente pois alguém tocava o interfone.
Ele se vestiu e saiu, e só depois que eu atendi o interfone. Mas antes, ainda dei-lhe uma encoxada suave e um beijo apaixonado, no corredor, perto da saída.

terça-feira, 24 de abril de 2007

Delícia de aula III

Naquela semana eu havia decidido transar a todo custo. Então, eu fui à uma loja de lingeries e comprei 2 conjuntos, um preto e um branco. Na saída, telefonei para ele e fiz uma pergunta:
" Você pode esclarecer uma dúvida? O que você prefere? Preto ou branco?"
Ele soltou uma sonora gargalhada,e perguntou: "Você está falando de que?"
Eu disse a ele que simplesmente respondesse, e ele escolheu BRANCO.
Então fui a uma bomboniére e comprei uma barra de chocolate branco.
Liguei novamente e perguntei se eu poderia levar para ele o que eu havia comprado, ele respondeu que sim, e eu fui.
Chegando lá, abri a sacola das lingeries e tirei o chocolate. Ele viu as lingeries e disse para eu usar o branco na próxima aula.
Chegou o dia da aula e eu vesti a lingerie, uma saia longa, de tecido leve e esvoaçante com uma mega-fenda dos dois lados e uma blusinha branca discreta.
Fomos treinar baliza. Paramos numa ruazinha deserta e treinamos por 20 minutos. Ele, no carro,botava a mão nas minhas coxas, alisava, passava o dedo sobre a calcinha, sentindo minha umidade já atravessando o tecido fino. Resolvemos sair dali para um lugar mais tranquilo. Pegamos uma estrada próxima e nos enfiamos no primeiro motel que apareceu.
Chegando lá, o desejo explodiu e arrancamos nossa roupa, nos beijando com fúria e tesão.
assim que ele me penetrou eu gozei, ele nem acreditou.
Ficamos por lá por umas duas horas, fazendo sexo ininterruptamente, como dois animais no cio.
Ele me possuía como nenhum homem me possuiu. Nenhum. Me tocava e me amava como uma princesa.
Não resisti e ofereci a ele minha bundinha, que ele penetrou com muito gosto. Ele faz anal muito bem. Gozei intensamente.
Depois, fomos embora, satisfeitos e extasiados.

Delicia de aula II

A aula seguinte não foi muito diferente da anterior. Ele quis saber das minhas preferências sexuais. Disse a ele que a minha maior fantasia eu já havia realizado com ele: Sexo em local público.
Ele perguntou se eu fazia sexo anal, se eu gostaria de ter 2 homens...
Respondi tudo a ele com o maior carinho, e perguntei sobre as preferências dele. Ele quer fazer sexo grupal, com vários casais se trocando (perigoso demais, eu acho). Eu disse a ele que não curtia mulher. Meu lado masculino é gay assumido (adora dar a bundinha).
Aquela conversa já me deixou prontinha e eu podia ver seu pau duro querendo sair da calça.
Novamente paramos numa outra rua deserta, eu libertei seu lindo penis rosadinho e bem cuidado e mamei com carinho e paixão. Rapidamente ele gozou na minha boca. Senti o sabor do seu prazer se espalhando pela minha língua, que delícia! Eu estava louca para senti-lo dentro de mim, mas ainda não foi dessa vez. Ele pediu que na aula seguinte eu fosse de saia. Eu, obediente, fui...

Delícia de aula...

Depois daquele beijo, eu sabia que o sexo seria inevitável. Eu desejava sentir seu gosto, seu corpo, eu sonhava com ele, só pensava nele. Estava completamente entorpecida.
Já faziam dois meses que eu estava treinando técnicas de pompoarismo e já me sentia com a libido enormemente aumentada (acho que estou criando um monstro...).
Aquela aula foi praticamente uma preliminar. Era mão daqui, mão dali, peito, boca, perna...
Andamos por 15 minutos depois paramos numa rua deserta. Aquele beijo é capaz de matar minha sede, me acender, me enlouquecer. Desci da boca para o pescoço, peito, barriga...abri sua calça e comecei a chupá-lo. Ele quis gozar mas eu não deixei. Achei melhor voltar pra casa, senão eu acabaria tirando a roupa ali mesmo.
Eu estava muito louca de tesão. Cheguei em casa e me masturbei até a exaustão do meu corpo.
Recebi um SMS no celular: "Delicia..."
Sorri e apaguei. Fiquei aguardando ansiosa a próxima aula.

Crystal tão confusa...

Fiquei um bom tempo sem entrar no Blog. Na verdade foi um período muito conturbado da minha vida. Eu e minha eterna paixão brigamos muito e resolvemos nos separar.
Fiquei triste por muito tempo, até que conheci alguém que novamente mexeu comigo.
Estava eu na auto-escola, aprendendo a dirigir. Sempre que ia assistir às aulas, passava aquele instrutor todo lindo, saradinho, simpático e sorridente, falando com todo mundo. Eu sempre o observava, mas nunca havia tido nenhuma pretensão de tê-lo. (Na verdade mais-que-verdadeira, eu achava que era areia demais pro meu caminhãozinho...).
Quando fui marcar meus treinos, escolhi o carro que mais se aproximava do nosso. Mal sabia eu que era o carro em que "ele" ensinava. Juro que não foi premeditado, foi mesmo uma peça que o destino me pregou.
Na primeira aula ficamos apenas conversando. Ele tinha um olhar de menino que me encantava. Eu não parava de admirar seus olhos, sua boca... Fiquei nervosa, e o treino acabou quando eu já não aguentava mais ficar sozinha no carro com ele. Até esse momento ainda não tínhamos sequer nos tocado. Fui para casa, fiquei sonhando com a aula a noite toda... aquele olhar, aquela voz...
Eu estava mesmo muito carente. Meu fisio longe, marido ausente... sentia muita falta de uma mão forte me tocando, um peito onde encostar...
Naquela semana tive a segunda aula. Pela primeira vez trocamos dois beijinhos daqueles de cumprimento. Ao sentir sua boca tocar meu rosto, minhas pernas ficaram bambas. Meu corpo todo amoleceu, como manteiga no sol. Disfarcei (na verdade, não sei se consegui disfarçar) e entrei no carro, no lugar do carona. Estava aprendendo a trocar as marchas. Mas quando eu fazia errado, ele segurava a minha mão e me ajudava. Impossível esconder o arrepio que subia pelo meu braço sempre que isso acontecia. Lógico que ele percebeu. Ele disse que está de casamento marcado (ô sina!) e que está construindo sua casa perto da dos sogros (péssima idéia, mas quem sou eu pra opinar, né...). Conversamos sobre outras trivialidades depois fomos embora.
Vou contar nesse conto como ocorreu todo o preocesso de conquista, depois eu conto em contos separados cada aventura sexual que aconteceu depois.
Era dia do terceiro treino. Eu já estava mais adaptada, já conseguia andar bem. A conversa começou também a ficar mais animada, e quente também.
Ele contou que recebeu uma proposta de uma mulher de transar com ela, sendo filmada pelo marido dela. Ele disse que recusou. Depois disso o assunto sexo foi o principal de nossas conversas. Naquele dia ele me deixou na porta de casa. Quando saí, ele me abraçou e me deu um beijo daqueles bem "na trave", que me deixou toda molhada. Ainda atordoada, fui pra casa e não parei mais de pensar naquilo. Não era possível que ele estivesse interessado em mim, além disso, ele estava noivo, como poderia querer trair a própria noiva? Minha cabeça ficou a mil até a data da nova aula. Naquele dia eu estava disposta a tirar a prova e descobrir o que realmente poderia acontecer.
Enquanto dirigia, toquei de leve sua coxa, como se tivesse tentado mexer no cambio e tivesse errado. Pedi desculpas (cínica). Ele disse que me achava muito sensual e muito bonita. Eu sorri e agradeci.
Na hora de ir embora ele veio me dar outro beijinho daqueles, mas eu virei o rosto deixando ele dar um selinho na boca, o que me deixou completamente louca de desejo. Eu fiquei com as pernas moles, o coração disparou.
Daí eu disse: "Esse seu beijo me deixa com as pernas bambas."
Ele respondeu: "Sua boca me deixa excitado."
Demos um delicioso beijo na boca,com direito a mão por todo lado. Depois fui embora, com o corpo ardendo de desejo e a calcinha compeltamente ensopada.

sábado, 6 de janeiro de 2007

Proibido é mais gostoso

Essa semana fiz uma coisa que jamais imaginei que faria. Mas foi mais forte do que eu, e ... agora eu quero mais!
Terça-feira falei com meu Fisio pelo msn. Foi aniversário dele e eu fiquei esperando dar meia-noite pra ser a primeira a dar os parabéns. Fiz pra ele um gif animado e mandei exatamente à meia-noite.
Mimos à parte, perguntei a ele se teria uma festa pra comemorar seus 26 aninhos... Ele então pediu um favor: Se eu poderia gravar uns cds com músicas pra festinha. Eu disse que tudo bem, se ele viesse na minha casa buscar. Pra minha surpresa ele concordou, e eu fiquei muito ansiosa.
Marcamos de conversar na quarta-feira pra acertarmos o horário. Eu, fui rapidinho fazer uma massagem nos cabelos, as unhas, acertar a depilação...
Na quarta-feira nem pudemos nos falar de dia,mas à noite, mostrei a ele a lista que eu tinha selecionado e ele gostou. Ele combinou de vir na 5ª ou na 6ª feira pra gravar os cds.
Quando foi 5ª feira, eu fui à um compromisso rápido e no caminho telefonei pra ele. Ele disse que chegaria cerca de 16:30 (eram 15:00 e eu estava na rua indo resolver um probleminha - aimeudeus, bateu o pânico!!!).
Pra minha sorte eu fui rápida, e nem tinha fila, além disso ele (depois me confessou) cochilou e perdeu a hora.
Voltei pra casa a jato, botei todo mundo pra fora, levei o bebê na casa de uma amiga e deixei lá por algumas horinhas. Mas não deu tempo do banho.
O interfone tocou. Era ele. Eu abri a portaria e em vez de esperar, fui dar uma checada pra ver se estava tudo ok em casa. Ele bateu na porta, eu fui atender,com o olhar brilhando mais que lua-cheia e um sorriso maldoso nos labios.
O convidei para entrar. Ele,meio receoso de que algum vizinho o visse, entrou rapidamente e ficou no corredor. No entanto eu, garota esperta, já tinha fechado ali todas as cortinas da casa evitando olhares curiosos dos vizinhos que acham que eu sou uma esposa virtuosa e uma mulher exemplar.
Ainda no corredor o abracei e dei um beijo suave nos lábios, sem lingua nem nada.
Ele tinha trazido os cds então decidimos ser rápidos e ir logo gravar os benditos cds antes que chegasse alguém.
Fomos para o escritório e eu sentei em frente ao PC, pra iniciar o programa de gravação. Comecei a gravar o primeiro cde enquanto o pc trabalhava, eu me virei para ele e fiquei de frente para onde... Olhei para ele e dei um sorrisinho, mordendo o lábio. Ele entendeu, e baixou o short, deixando aquela delícia exposta ali, na minha frente, na minha casa.
Eu não pensei duas vezes, peguei comecei a beijar, lamber, enfiar tudo na boca e chupar. Ele segurava meu cabelo, extasiado, dizendo "Louca, louca..." Louca sim. Mas com muuuiiittooo prazer. Ficamos naquela safadeza até o driver expulsar o cd já gravado.
Daí parei, troquei o cd por outro, comecei a gravar nova lista e... parti pra cima de novo,sendo recebida de braços bem abertos e uma vara ereta bem no meio. Ele me levou até meu quarto, abriu meu jeans, verificou como eu estava superexcitada com a situação. Montou em cima e me comeu, com o desespero dos famintos. Não demorou pra eu gozar, e ele, logo depois. Fui ao banheiro me limpar e ele foi se lavar também. Na pressa e no auge do tesão, nem pensamos em camisinhas...putz...ainda bem que não engravido mais...
O PC já havia liberado o cd há tempos. Ele pegou o cd, terminou de se recompor e disse que era melhor ir embora, antes que alguém desconfiasse. Antes,nos beijamos apaixonadamente encostados no corredor, e depois ele me afastou dizendo que assim não conseguiria ir embora.
Eu o levei até a porta e me despedi dizendo para ele testar os cds no carro, pois uma vizinha vinha descendo as escadas. Em seguida ele disse "Tchau", e foi embora.
Eu fechei a porta, suspirei e pensei: "Proibido é mesmo mais gostoso...".