sábado, 12 de julho de 2008

Um dia frio...

Seria mais um dia frio não fossem dois detalhes: Era meu aniversário. Ele me ligou...do Rio!
Não reconheci o número quando vi no celular, então atendi normal.
-Alô!
-Parabéns para a cunhada mais linda do mundo!!!
-Oi, luz da minha vida!
-Como você está?
-Agora, muito melhor, e você?
-Eu to bem. Liguei pra desejar um feliz aniversário e que você continue assim, linda linda demais...
-Só pra você.
-Não, pra todos nós.
O coração disparava, mas eu quase enfartei quando eu perguntei: - Você está aonde?
-Na filial do Rio.
(silêncio)
Engoli em seco, tentei me acalmar.
-Como faço pra ver você?
-Não sei, eu saio daqui às cinco. O que que eu faço?
-Me encontra aqui no Centro. anota o endereço.
Anotei com a letra trêmula de alegria, ansiedade e desejo. Calculei chegar em uma hora. Combinamos.
Na saída do trabalho, caprichei no perfume, arrumei o cabelo e fui me encontrar com meu melhor presente. Nem me lembrava de que havia tanta gente em casa me esperando também.
Cheguei no local combinado, ele estava me esperando. Tinha uma caixa nas mãos.
Um abraço apertado, um longo e molhado beijo, mais um e mais outro e só depois dissemos "oi". Ele disse: -Comprei uma coisa pra você - mas não recomendo abrir agora.
Não entendi, mas segui sua recomendação. Entramos no carro que a empresa lhe havia disponibilizado, seguimos direto a um motel bem próximo, que tem suítes temáticas...lindo.
Escolhemos a suíte japonesa. Tinha ofurô e um tatame enorme, perfeito para um "embate amoroso". O lugar convidava ao prazer. Ele me abraçou por trás, beijou meu pescoço e disse que eu já poderia abrir meu presente. Eu respondi: Agora não, primeiro vou ver o que tem dentro dessa caixinha... Rimos e sentamos no chão. Eu abri a caixa e dentro, envolvida em papel de seda, havia um lindíssimo conjunto de lingerie preto. Quando o espanto passou, beijei, beijei e beijei aquela boca gostosa e o convidei para um banho gostoso no ofurô: - Vem, agora eu quero desembrulhar o meu presente.
Comecei com sua camisa, que desabotoei, deixei cair pelos ombros e acariciei seu peito, beijando e mordiscando os mamilos arrepiados. Tocando as costas com as mãos, deslizando pela barriga, abri o cinto, a calça...ele deixou a camisa cair no chão, eu baixei a calça...mas esqueci de desamarrar o sapato. Então, de joelhos, deixei a calça de lado, voltei e libertei uma delícia de pênis quente e pulsante, que logo segurei e acariciei, lambi e chupei, enquanto ele acariciava meu cabelo com as duas mãos, gemendo de desejo e dizendo: -Isso, gostosa, chupa tudo, vai...caralho, que delícia....
Eu já não aguentava mais de tanto tesão, parei de chupar e me levantei, comecei a abrir a blusa, tirei, abri a calça, disse a ele, vem tirar o resto, vem...
Descalcei a sandália e deixei que ele terminasse de me despir, enquanto beijava cada centímetro do meu corpo, que se arrepiava a cada toque dos seus lábios.
Nus, entramos no ofurô, com água quentinha e pétalas de rosas dentro, um perfume oriental sensual dominava o ar. Afundei na banheira, molhei o cabelo, fui em sua direção e sentei em seu colo, olhando fundo em seus olhos e me vendo dentro deles. - Esse foi o melhor presente que eu poderia ganhar - eu disse. Ele sorriu com seu sorriso largo e lindo, me pegou pela cintura, me beijou e se encaixou em mim com a perfeição de quem foi feito sob medida um para o outro.
Fui ao paraíso e voltei em dois segundos. Não demorou para nós dois explodirmos num orgasmo excepcionalmente intenso e duradouro. E ali eu tinha, pela primeira vez, seu sêmen dentro de mim, me preenchendo e me enchendo de vida. Depois de "ferver" o ofurô, nos enxugamos e fui experimentar a lingerie que ele me deu de presente. Era linda, preta. A calcinha era com fitas de seda nas laterais, que davam lacinho como biquíni. O Soutien era estruturado, com a mesma seda nas alças e detalhes de renda no bojo, igual à da calcinha. Vesti, desfilei e despi para ele, fazendo um strip tease. No fim, quando desamarrei os dois lacinhos da calcinha, já na sua frente, quase com o umbigo colado no seu nariz, ele me agarrou e me jogou no tatame, de costas me olhou dentro dos olhos e disse: Você é a mulher mais linda que eu já tive.
Eu disse a ele: Te amo. Ele respondeu: Também.
Nos beijamos e nos amamos novamente, com mais ardor e mais paixão. Percorremos todo o tatame, brincando com nossos corpos, experimentando, aproveitando cada minuto juntos.
Perdemos a noção do tempo. Quando vi, tinha 28 chamadas não atendidas no celular. Eram 10 da noite e eu não sabia o que dizer quando chegasse em casa, com uma lingerie novinha em folha.
Ele me levou de carro e me deixou perto de casa. Depois disse que ia para um hotel, pois tinha que voar cedo para casa. Nos despedimos com um último beijo apaixonado e cheio de saudades. Agora, quando será que vou vê-lo de novo? Quando irei amá-lo de novo?
Apesar da saudade e do vazio que ela deixa no peito, aquele foi o melhor aniversário da minha vida. Chegando em casa, bom, disse que fui a um bar com as amigas e deixei o celular na bolsa, só vi as chamadas quando fui olhar as horas para voltar para casa. Não sei se colou. Nem me importa. Na minha memória ficará para sempre aquela noite inspiradora.

Nenhum comentário: