domingo, 29 de março de 2009

Serviço de Despertador

Durante o já costumeiro "boa noite" ele havia me dito que precisava acordar bem cedo no dia seguinte. 
Perguntei: - Se eu acordar cedo posso vir te chamar?
Ele respondeu: -Pode.
Meu coração pulou de alegria. Acho que naquele momento meus olhos brilharam tanto que ele percebeu. Beijei seus lábios com suavidade, e ele acariciou a parte interna da minha coxa. Levantei da sua cama antes que a excitação me fugisse ao controle. Saí do seu quarto, abracei e beijei a todos e fui me deitar.
Na cama, ainda sentia o gosto da sua boca e o toque das suas mãos. Adormeci.
O dia mal havia clareado quando eu despertei. Procurei ver as horas. "Será que ele já acordou?" foi a primeira coisa que me veio no pensamento.
Em silêncio, saí do quarto, fui à cozinha pegar um copo de água. Ainda estava tudo fechado e o seu equipamento do motocross estava espalhado pela área de serviço. Arrumei tudo, bebi minha água e voltei para o quarto a fim de tomar um banho.
O banho frio terminou de me despertar. No fim, passei pelo corpo um óleo perfumado para deixar a pele bem macia e cheirosa.
Vesti uma calcinha bem pequena e uma camisola curta. E fui cumprir minha tarefa - acordar meu amor.
Me certifiquei que não havia ninguém acordado pela casa e silenciosamente entrei no seu quarto, trancando a porta. Ele estava dormindo ainda. Fiquei ali observando por alguns segundos, mas sabia que o nosso tempo valia ouro, então me aproximei da sua orelha e disse baixinho: "Serviço de despertador. Bom dia meu amor."
Ele se virou em minha direção e me contemplou com um beijo doce e um bom dia macio como as almofadas que ele abraçava ao dormir.
Ele olhou o relógio e comentou: "Nossa, você acorda muito cedo!"
Eu dei uma risadinha. Ele se levantou, disse que ia ao banheiro. Me deitei no seu travesseiro e fiquei lá esperando que ele voltasse.
Ele entrou e me beijou, dessa vez com muito desejo. Por baixo da cueca que ele usava para dormir se podia ver um volume tentando se livrar do espaço que já não o continha mais. Vendo aquilo fiquei muito molhada. Sentei na sua cama e ele, de pé em frente a mim me instigava. Baixei a sua cueca e imediatamente comecei a beijá-lo e chupá-lo. Ele me segurava pelo cabelo, me observava enchendo a boca com o membro duro e pulsante. Tirei a calcinha.
Ele se deitou na cama do meu lado. Me beijava e me acariciava segurando meu corpo contra o seu. Fiquei de costas para ele, roçando a bundinha em seu penis, acariciando suas pernas e ele me beijando o pescoço.
Ele então, com a ajuda de uma das mãos, colocou seu penis dentro de mim sem nenhuma dificuldade. Um encaixe perfeito. Quando senti seu corpo unido ao meu, minha alma encontrou o paraíso. Passei uma das pernas por cima das suas e ganhei mais amplitude dos meus movimentos. Assim eu podia mexer os quadris para todo lado, empurrar meu corpo contra o seu e apertá-lo dentro de mim fazendo movimentos de pompoar. Senti que ele queria gozar quando ele sussurrou: "Caralho, como você é gostosa..." Eu também estava quase gozando. Aproveitei a lubrificação abundante e iniciei, por minha vontade, uma penetração anal. Ele não acreditou no que sentiu. Mas quando viu do que se tratava ficou enlouquecido, apertou meus seios e começou a me masturbar. Então eu peguei sua mão e comecei a me tocar usando seus dedos, mas com os meus próprios movimentos. Ele percebeu meu orgasmo se aproximando, e controlou o dele para, enfim, gozarmos os dois juntos embalados num único movimento de corpos.
Ficamos os dois colados, suados, cansados, deitados na cama por alguns minutos até que ouvimos um barulho vindo lá de fora. Ele levantou-se e foi olhar o que era. Meu sogro tinha acordado e foi ao banheiro. Aproveitei e fui para o meu quarto, e ele foi até a cozinha ver se havia mais alguém acordado. Não tive coragem de expelir seu leite de dentro de mim. Tomei outro banho, mas segurei um pouquinho dele dentro de mim. Então, fingi que acordei. Dei bom dia ao meu sogro e fui até a área, onde ele estava (surpreso por encontrar o equipamento todo arrumadinho), e lhe disse bom dia, com um sorriso cheio de cumplicidade.
Preparei café para nós. Ele tomou um banho, comeu, se equipou e saiu de moto para treinar.
E eu comecei o dia do jeito mais gostoso possível. Trago comigo aquela sensação até hoje, quando me levanto pela manhã para ir trabalhar. Que saudade...