sexta-feira, 5 de agosto de 2011

O beijo

Na cama ela fecha os olhos e inicia mentalmente uma viagem para o desconhecido.
Ele chega em silêncio, seu perfume anuncia sua presença, e ela sente a presença, o calor do corpo que aproxima.
Ele a toca, a ponta dos dedos irradiando a energia que arrepia sua pele gelada e intumesce os mamilos. Ela sorri.
Ele desliza as mãos pelo corpo, toca seus cabelos. Ela percebe o sangue correr apressado nas veias, o coração acelerado, a respiração se aprofunda. Umedece a boca à espera de um beijo. Espera.
Ela ouve o som da respiração, o corpo se aquece e se entrega ao toque suave dos dedos dele. Ela espera pelo beijo.
Ela percebe o hálito morno em sua nuca, ela umedece e aperta as coxas, e procura com as mãos, em meio à escuridão dos olhos fechados.
Ele acaricia seu corpo, suas pernas, seus pés. Ela pode sentir as mãos dele. Se deixa tocar... e espera pelo beijo.
Ele afasta suas coxas, observa o sexo molhado. Ele toca a carne que arde, chega perto e ela sente a respiração. Ela espera pelo beijo. Espera.
Ela abre os olhos e não há beijo, não há ele, não há nada além dos lençóis e travesseiros, e se arrepende de ter voltado tão cedo.